Texto original do site Politz

O jornalista Diogo Schelp publicou ontem um brilhante artigo para o jornal Gazeta do Povo, sendo um dos poucos articulistas que estão saindo à público com a coragem necessária de apontar os responsáveis para a maior desgraça que aconteceu na história da humanidade nos últimos tempos.

Primeiramente o autor lembra que o estado chinês (uma ditadura comunista, em nossa opinião) está enjajado em uma guerra de propaganda global para se eximir de sua responsabilidade na propagação da doença.

Ele também cita a reação destemperada (e extremamente agressiva) do embaixador chinês no Brasil em relação às críticas levantadas pelo Deputado Federal Eduardo Bolsonaro, como reportamos amplamente nos últimos dias, comparando a praga chinesa à crise de Chernobyl, onde a União Soviética comunista escondeu do mundo a explosão de sua usina nuclear.

Por fim, o jornalista ainda cita diversos fatos sobre às atitudes da China para tentar encobrir a sua responsabilidade:

  • Demora da ditadura chinesa em isolar a área, permitindo que ao menos 5 milhões de pessoas após o aparecimento do vírus viajassem para o exterior, espalhando a doença para o mundo inteiro;
  • A China não quis admitir a gravidade da doença, assumindo a possibilidade de contaminação apenas no final de janeiro;
  • A ditadura chinesa utilizou-se de sua máquina de propaganda estatal e aparatos de censura para limpar quaisquer referências à sua própria praga;
  • O médico que tentou alertar as autoridades pela primeira vez foi perseguido, preso e obrigado a assinar uma carta de retratação e acabou morrendo posteriormente pelo próprio vírus chinês;
  • A máquina de propaganda comunista da China vem espalhando notícias falsas para se eximir de sua responsabilidade, inclusive utilizando montagem de fotos;

Esse é o preço que todos nós pagamos por fazer acordo com o Diabo. O mundo inteiro agora está sofrendo as consequências.

Para nós, a nossa aposta é que o mundo nunca mais olhará para a China da mesma forma, se Deus quiser.

Fonte: Gazeta do Povo e Politz